A Bacia

Rio Pará

 

O rio Pará é um curso de água que banha o estado de Minas Gerais, Brasil. Nasce na serra das Vertentes, próximo ao povoado de Hidelbrando, no município de Resende Costa. A extensão do rio Pará, desde suas nascentes até sua foz, é de aproximadamente 365 km.

O rio corta também os municípios de Desterro de Entre Rios, Passa Tempo, Piracema, Carmópolis de Minas, Itaguara, Cláudio, Carmo do Cajuru, Divinópolis, São Gonçalo do Pará, Conceição do Pará, Pitangui, Martinho Campos e Pompéu onde logo após deságua no rio São Francisco. É um dos principais contribuintes do reservatório da Usina Hidrelétrica de Três Marias.

Bacia Hidrográfica do Rio Pará

A Bacia Hidrográfica do Rio Pará corresponde a 01 das 10 unidades de Planejamento e gestão de Recursos Hídricos  – UPGRHs Da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco no Estado de Minas Gerais, identificada com UPGRH SF2 conforme Deliberação Normativa do Conselho Estadual de Recursos Hídricos – CERH-MG nº06/2002.

A Bacia Hidrográfica está localizada no Alto curso da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco, no sudoeste do Estado de Minas Gerais. o Rio Pará possui uma extensão de cerca de 365 quilômetros e área da bacia hidrográfica compreendendo aproximadamente 12.300 km², abrangendo 35 municípios. De acordo com os dados do Censo IBGE 2010, esta bacia conta com aproximadamente 900 mil habitantes, dos quais cerca de 12% estão nas áreas rurais. A principal cidade da Região é Divinópolis, com aproximadamente 213 mil habitantes, seguida por Pará de Minas e Itaúna.

A figura abaixo apresenta os municípios que integram a Bacia Hidrográfica do Rio Pará:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Caraterização Física e Biótica

Esta bacia apresenta uma tipologia climática de inverno seco e verão chuvoso, com variações de temperatura não muito significativas. A temperatura média é de 20°C, a pluviosidade anual de 1.250mm. As chuvas possuem uma ocorrência maior nas nascentes do que nas regiões próximas à foz do Rio Pará.

A cobertura natural é formada pelas vegetações nativas de campos, cerrados e veredas, além do remanescente da floresta nativa, composta pelo ambiente de floresta estacional semidecidual, sendo esta floresta típica do bioma da Mata Atlântica. a silvicultura com o plantio de eucalipto é a característica que tem alterado bastante a vegetação natural da Bacia.

Socioeconomia

 

A potencialidade para desenvolvimento das atividades na Bacia Hidrográfica do Rio Pará é grande, por ser bem servida de infra-estrutura de transporte, energia e serviços devido a sua localização geográfica privilegiada em relação aos grandes centros consumidores do país. 68% da área total da bacia possui potencialidade para agricultura, 12% para pecuária e 19% silvicultura.

Cenário sobre impactos causados pelas diferentes atividades na Bacia Hidrográfica do Rio Pará.

 

A partir da análise dos impactos na Bacia Hidrográfica do Rio Pará, chega se a conclusão que os efluentes advindos da ocupação humana são os mais impactantes, seguidos pela suinocultura, avicultura e bovinocultura. Em 2001, o Informativo nº 1 do CBH do Rio Pará afirmou que, em praticamente todos os municípios da bacia, a forma de ocupação humana não respeitou as nascentes, brejos, rios lagos ou açudes: construíram estradas e aprovaram-se loteamentos sem qualquer preocupação quanto a preservação da água e que a quantidade de água estava, portanto, diminuindo.

A sub-bacia mais crítica, considerando todas as atividades e usos considerados é a Sub-bacia Rio São João, seguida da Sub-bacia Alto Rio Pará, principalmente pelo impacto dos usuários insignificantes que nela estão fortemente concentrados. Chama a atenção o grande impacto da suinocultura na Sub-bacia Ribeirão da Paciência, da avicultura na Sub-bacia Médio Rio Pará, da mineração na Sub-bacia Rio Lambari e dos outros usos na Sub-bacia Rio Itapecerica.